Tires on the road, the car at 120 km / h, eyes fixed on the horizon.

My mind goes back to a year ago, and I suddenly get emotional when I remember that day.

It’s funny how memorable moments are recorded like movie scenes in our minds.

Continuing to travel, I started to reflect on myself now and on my old self.

I feel more tired lately when compared to that Andryas, who lived intensely in college.

Perhaps this year is not a good benchmark for comparison.

I passed at 60 km / h on a 40 km / h radar. I probably got ticket.

I turned my attention to the road again.

And after a while, the mind slowly returns to the thoughts of the memories of that day.

I go through my speech mentally and rewrite it on the internet to protect it from oblivion.


Bom antes de mais nada gostaria de agradecer a presença de todos os professores, não somente os homenageados mas também a todos os demais presentes.

Vocês são os responsáveis pela formação profissional e também em grande parte pessoal dos indivíduos que compõem a sociedade.

A todos vocês o nosso muito obrigado.

Quero agradecer, também, a todos os familiares e amigos presentes aqui nesse dia tão especial para nós, formandos.

Enquanto os professores são os responsáveis pela nossa formação profissional, vocês, familiares e amigos, são o motivo, a razão.

Como um professor nosso da universidade costuma dizer, “tudo que fazemos é para as pessoas”, porque celebrar esse dia sem vocês. não faria sentido, fazer um curso difícil, como é o de estatística, sem vocês não faria sentido e portanto hoje, é para você mãe, e para você pai, e para você tio, tia, irmão, irmã, marido, esposa, namorado, namorada, amigo, amiga… O nosso muito obrigado por estarem aqui.

Pois bem, o que podemos dizer sobre esse dia tão extraordinario? É dificil expressar em palavras… no entanto na busca incansavel da combinação perfeita das palavras me de parei com uma frase que reflete bem o nosso estado de espirito aqui hoje.. ela é do musico e compositor Roberto Carlos… ela diz o seguinte: “são tantas emoções”… E é justamente isso que sentimos aqui hoje.. emoções.. Sentimos uma alegria imensa de termos conquistado mais essa vitoria em nossas vidas, a conclusão do tão sonhado curso de estatística. Sentimos uma felicidade indescritivel de ter nossos familiares e amigos prestigiando esse momento conosco. Sentimos orgulho,  de olhar para a mesa dos professores e termos a certeza que tivemos os professores e as professores mais fodas de estatística desse pais, autores de livros, pesquisadors ativos, mas o mais importante formadores de pessoas.

Sobre esse último tópico, a formação de pessoas, é que tenho algo a dizer e é o que mais representa o que significa uma universidade.

Bem, para muitos de nos a faculdade sem dúvida é um dos momentos mais importantes de nossas vidas, não somente porque ao final dela teremos um curso de ensino superior mas, principalmente, pelas pessoas que teremos nos tornado. Saimos do ensino médio, na sua grande maioria, destemidos e donos da verdade, achando que já estavamos prontos, contudo é na faculdade que percebemos que já mais estaremos prontos, sempre teremos algo que melhorar em nos, e é justamente esse ponto, a percepção de um aprimoramento constante, que esse período de graduação, de formação, mais nos engrandece.

Na faculdade conhecemos pessoas que já viajaram o mundo, e estão ali! Do seu lado, te contando como faz calor na França, como o quadro da monalisa é pequeno, como você precisa conhecar a Alemanha, né Aline… também tem pessoas que falam 4 idiomas e arranham mais uns três e que nunca deixam de corrigir você naquele seu segundo idiomazinho, seja o tempo verbal, uma expressão mal colocada, até a forma como que você fala, porém sempre te incetivando a ser melhor, né Cintia. Ainda tem pessoas que ficamos impressionados pela meticulosidade, pela constancia, pelo esforço e pela inteligencia, e claro, principalmente por não sabem o que é tirar uma nota abaixo de 90, né Bruno e Vinicius… ainda tem também aquela pessoa que até sabe o que é tirar uma nota abaixo de 90, porém você fica impressionado pela sua capacidade de absorção, porque você explica tudo uma hora antes da prova e ela vai lá e tira uma nota maior que a sua, né Lari… tem também aquela pessoa alto astral, que mesmo quando você teve um dia bosta ela chega na faculdade, te faz rir, te diverte e faz você se sentir bem, com seus “Primeiramente fora Temer, segundamente boa noite”, né Welton.. e ainda tem aquela pessoa que te mostra o verdadeiro significado da palavra esforço, que desde o começo da faculdade teve que trabalhar e estudar para chegar aqui, nesse momento de hoje, né Adri… e valeu a pena né?

Eu não falei de todos, porque so tenho 15 minutos, mas até aqui já podemos perceber que o que importa mesmo na faculdade, mais do que verossimilhança, matrizes esparsas, testes de hipóteses, é essa interação que tivemos, foi esse contato com pessoas que não são da família, que não moravam no mesmo bairro… que vieram dos mais diversos cantos do pais, que tem cultura, visão de mundo, opiniões diferentes das suas… que nos tornamos quem somos hoje… somos estatísticos, é claro, estávamos lá para isso.. contudo foi nessa diversidade, nisso que chamamos de universidade, que ponderamos nossas visões de mundo, e que começamos a perceber que sim, nós homens temos ajudar em casa, a criar os filhos e ter os mesmo salários que as mulheres.. que não devemos olhar classe social, status, cor, apenas estender a mão.. percebemos que o sucesso está muito mais atrelado as oportunidades que tivemos do que muitas vezes o nosso próprio esforço.. e por isso, meus caros, posso afirma-lhes que ao fim desses anos todos, vocês, inclusive eu, nos tornamos pessoas melhores… Porque enquanto eu escrevia o que iria dizer hoje, eu lembrei de cada um de vocês, desde a nossa entrada lá no PSE ao nossos encontros no natividade… e isso, me fez lembrar de uma última emoção.

Uma emoção que não se aflora tanto agora

Mas, que será sentida amanha pela manhã…

Esse sentimento meus caros, é a saudade…

E saudade vamos sentir de quando estávamos na sala de aula as 10:15 da noite, de uma terça-feira, esperando ansiosamente para que a aula acabasse para que pudéssemos nos reunir no corredor e verificar se nossos colegas também não tinham entendido nada…

Saudade vamos sentir das aulas de probabilidade, de quando o professor pedia um número de 0 à 1 e sempre, sempre tinha um abobado que falava três.

Saudades vamos sentir do desespero antes das provas, dos congressos que fomos, dos professores tentando nos acalmar falando que o que estava escrito na lousa era apenas um número.

É meus caros… sentiremos saudade… esse é o preço que pagamos por termos vivido momentos tão bons… porque quando a coisa é boa a gente lamenta muito que tenha acabado!